quarta-feira, 22 de junho de 2011

A saga da faxineira





Nunca comentei minha saga em conseguir uma faxineira né? 
Então, desde que comprei essa casa, estou na saga de arrumar uma.
Tive uma faxineira (o), que era maravilhosa, a Agata...
A Agata era uma menina que nasceu menino, rainha da parada gay e atriz. Loiríssima, magrinha, alta pra caramba e uma faxineira de primeira. Como ela mesma dizia, estava nessa vida de gata borralheira enquanto o cinema e a tv não a descobrissem. Ela me abandonou porque mudou pra São Paulo onde achava que teria maior chance de ser descoberta, faz uns bicos de faxina por lá enquanto faz novos cursos de teatro (sorte menina!).
Meu cafofo não é bagunçado e nem sujo, mas é grande  e com duas crianças e com a correria que é a minha vida, uma mãozinha seria bom demais.
Nesse meio tempo, passaram duas por aqui e foi só decepção.
A primeira foi indicação de uma amiga de trabalho de uma amiga. Chegou botando banca, dizendo que fazia e acontecia, que estava acostumada a arrumar prédios inteiros. Pensei, opa é isso que eu preciso.
Já começou reclamando dos produtos de limpeza que eu utilizo, depois reclamou do tamanho dos rodos (um porque era grande demais e outro porque era pequeno demais... vá entender) e terminou reclamando do excesso de vidros.
Não sou o tipo de pessoa que larga na mão e que se vire, quando eu falo uma mão pra ajudar é uma mão mesmo. Conforme ela vai pegando de um lado eu vou do outro, pra ficar tudo limpo mesmo.
Acho que ela se aproveitou disso, porque quando eu percebi ela estava no "passo da tartaruga", só atendendo e batendo papo no celular e eu fazendo todo o trabalho pesado: ou seja, paguei pra trabalhar. Detalhe: nas semanas seguintes ela não poderia vir porque ela paga o benefício como autônoma e ela estava se dando férias.
Entendi isso como um tchau e nem liguei mais, porque além de tudo, ela não havia limpado escadas e nem vidros.
A segunda então foi pior, veio recomendada pela faxineira da minha amiga Clau (tanto a faxineira quanto a minha amiga não conheciam o serviço dela, mas sabiam que ela tinha dia livre e recomendaram)...
Chegou toda pimpona, contando que era formada em marketing e que fazia faxina porque odiava a área que havia se formado, e que o marido dava vida boa demais e que ele não entendia o porque dela trabalhar fora porque ela era a deusa dele.
Fiquei com pé atrás diante de tanto impecilho do benhê dela, mas como ela dizia que ela gostava de fazer faxina, mostrei onde ficavam os produtos e o que era pra ser feito. Calhou de ser semana de provas da faculdade, então dessa vez (e aprendendo a lição da faxineira anterior onde eu trabalhei mais que ela), deixei ela fazendo a limpeza e eu fui cuidar da minha vidinha de estudante, mãe e cozinheira da molecada..rs
Subi no meu quarto buscar um livro e com que me deparo? Com a dita cuja passando meus perfumes... fiz que não vi mas  ela ainda me pergunta o por que de tantos perfumes, já que eu precisaria de só um e se eu não queria dar alguns pra ela (achei chato pra dedéu).
Deixei o dia rolar, sem dar um pitaco, mas achei estranho a quantidade de panos de limpeza, pó e chão que ela usou...uns 30 pelo menos. Bom, pra encurtar o assunto ela não limpou (e quando digo limpar, digo dar uma "pincelada"): os quartos dos meninos ela não tirou pó,  não limpou a escada,  pegou o tapete da minha sala de jantar e jogou ágúa (nem sabão passou), os vidros ela passou uma vassoura e ficou pavoroso.  Quando ela  foi limpar a área externa, me perguntou o porque das mesas e se eu não queria dar uma pra ela, porque ela havia gostado tanto!
Mas isso não foi o pior... o pior foi ela pegar minhas mesas da churrasqueira, empilhar uma em cima da outra, com cadeiras por cima , misturando com os panos molhados que ela havia usado junto com os produtos de limpeza que tinha usado, deixando a área parecida com aqueles caminhões de mudança de carroceria aberta. Fiquei abismada quando vi aquilo.
Vi que essa não dava também...
Moral da história: estou fazendo tudo sozinha em casa agora, sumiram faxineiras em Sorocaba. Já falei com amigos, já coloquei anúncio, já postei no facebook e no twitter e nada. Mas minha saga em busca da ajudante não acabou... continuo procurando.
Podia ser pior se eu não tivesse a Raquel na minha vida (a Raquel é a senhora que passa roupa aqui... um dia faço um post contando uma história muito legal dela).
Hoje é dia do faxinão...ô saudade da Agata..rs
Mas vamo que vamo, que o feriado está chegando e eu quero inventar novidades pro cafofo...vou me jogar no artesanato nesse fim de semana prolongado..uhuu...

7 comentários:

  1. Oi Tati,eita mulher parece coisa de novela kkkkk,mas não desisti não uma hora aparece....
    Bom feriado,eu vou fazer o mesmo aproveitar que o maridinho vai está em casa e mergulhar nas consturinhas.Bs

    ResponderExcluir
  2. Venci a faxina Cris!Agora me jogar no artesanato!
    Beijinhos!!

    ResponderExcluir
  3. Tati,
    Vim te conhecer, e achei hilária sua hístória com as faxineiras. Moro no Rio, e te digo qua aqui, a parada tsmbém é dura, em relação ao assunto: faxinas.
    Fato, é que ninguém quer mais pegar no pesado, e sobra prá gente.
    Queria, ter achado pelo menos, que fosse de passagem Uma Ágata na vida!
    Bom, te desejo um feriado bem bacana, sem grandes trabalhos.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  4. oi Maruska!
    Hilário foi quando contratei a Agata ( e esqueci de avisar meu marido)... ele acordou de manhã e meio dormindo foi tomar café, chegando na cozinha ele deu com ela lavando a louça e não me viu... ele voltou pro quarto porque achou que estivesse tendo um sonho surreal...rs

    bjs, seja sempre bem vinda aqui!

    ResponderExcluir
  5. Tati, obrigada pelo carinho lá na minha casa. Amei, amei! Espero que volte. Será sempre bem vinda!

    Amiga, com certeza você vai encontrar a ajudante certa. Ainda que demore. Torço por você! Beijo

    ResponderExcluir
  6. Gostei de passar por aqui!
    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  7. Oh amiga, só solidaria com você porque estou passando pelo mesmo problema...cadê as faxineiras desse país? tô precisando de uma com coragem e capacidade, odeio mandar! até porque o serviço ensina como dizia minha mãe é só olhar que você já sabe o que tem que fazer...borá lá limpar!

    Um abraço
    hptt://cafeecetim.blogspot.com

    ResponderExcluir